Censos 2011 – Dados definitivos do INE Portugal

Tal como prometido e na data devida o INE acaba de divulgar os dados definitivos da sua última grande operação censitária em Portugal, os censos 2011. Também como habitualmente neste tipo de operações, além da revisão de dados já divulgados (os portugueses era à data dos censos 10 562 178) é com os dados definitivos que se divulgam as matrizes relativas aos movimentos migratórios internos. Estes dadso permitem perceber que regiões do países se revelaram mais atrativas na captação de população e quais as que evoluiram no sentido oposto. Segundo o INE, os padrões já evidenciados em momentos censitários anteriores mantiveram-se com o Alentejo a perder população e o Algarve, a Madeira e Lisboa a destacarem-se por ter registado as maiores taxas de variação de população, 14,1%, 9,3% e 6,0%, respetivamente.

Eis um quadro do INE onde se apresetna a distribuição da população portuguesa, em percentagem do total, por região, segundo o censo da população 2011:

Além do destaque à comunicação social (41 páginas) pode encontrar no sítio do INE as folhas de cálculo com a informação de suporte relativa aos movimentos migratórios bem como a publicação mais extensa sobre o recenseamento geral da população de 2011:
Censos - Resultados definitivos : Portugal – 2011 

 

20/11/2012 Arquivado em: Censos   Continue a ler

Séries trimestrais para a economia portuguesa: 1977-2011

Na sequência do que já havia realizado em meados da década passada (e com algum regularidade desde então), o Banco de Portugal contribuiu recentemente, mais uma vez, para mitigar a carência de séries cronológicas longas sobre agregados fundamentais da economia portuguesa.

Sendo certo que hoje há já mais informação cronológica disponível, divulgada pelo INE (vejam-se por exemplo as Séries cronológicas para a taxa de inflação 1977 a 2012) e pela Pordata, por exemplo, este exercícido agora repetido pelo banco de Portugal continua a revelar-se insusbstituível. Além das séries anuais do património dos particulares -1989 a 2011 já aqui referidas, destaca-se hoje a coleção mais relevante que envolve as Séries trimestrais para a economia portuguesa: 1977-2011. 

Este grupo de dados a que pode aceder nas ligações que publicamos em baixo, compila fundamentalmente informação oriunda no INE, resolvendo da melhor forma avalizada pelos tecnicos do Banco de Portugal, as naturais quebras de série que, provavelmente, têm “complicado” a sua divulgação pelo instituição produtora. O compromisso entre a qualidade e a acessibilidade aos dados é sempre complexo, contudo, estamos em crer que, neste caso se justifica inteiramente esta iniciativa. Eis os dados:

Séries trimestrais para a economia portuguesa: 1977-2011


Séries anuais do património dos particulares: 1980-2011

O Banco de Portugal procedeu a um exercício de atualização e a rearranjo de várias séries cronológicas que tem vindo a acompanhar ao longo dos anos e tomou a decisão de divulgar graturtamente o produto desse trabalho. Em concreto, hoje destacamos as séries anuais do património dos particulares: 1980-2011 às quais poderá aceder consultando as ligações em baixo (versão pdf e versão folha de cálculo):

Séries anuais do património dos particulares: 1980-2011

19/07/2012 Arquivado em: Dados Económicos   Continue a ler

Empresas em Portugal: 2004 a 2010

O INE divulgou recentemente uma compilação de séries temporais iniciadas em 2004 e até 2010 sobre o sector empresarial em Portugal. Alem de um curta publicação de 20 páginas, com análise da informação, o INE-Portugal disponibiliza 16 ficheiros com informação cronológia, para inúmeras variáveis sobre as empresas portuguesas (sector, dimensão, região, ritmo de cresciemtnos, etc) que poderão ser descarregadas gratuitamente do sítio oficial deste instituto.

Poderá encontrar esta informação aqui:

Texto integral do Destaque

  • Download do documento PDF (660 Kb)

Quadros do Destaque

  • Excel Excel (529 Kb – ficheiro zip)
 
Eis um excerto do destaque para a comunicação social:

” (…)  A proporção da criação de novas empresas, no total de empresas ativas do país, atingiu o valor máximo no ano 2007, expresso na percentagem de 15,19%, valor que decresceu até 11,84% no final do período. A mesma evolução verificou-se por parte das empresas do setor não financeiro, cuja taxa de natalidade se situou em 11,94% no ano 2010. Por outro lado, os valores da taxa de mortalidade refletem nitidamente uma tendência de crescimento desde o início do período, alcançando 17,71% em 2009, para o conjunto do setor empresarial. Em termos setoriais, as empresas da Construção e de Serviços apresentaram as maiores taxas de mortalidade atingindo respetivamente, os valores de 18,31% e 20,17%, no ano 2009.

Ao longo do período considerado, observou-se uma redução da taxa de sobrevivência das empresas no país, patente na evolução dos resultados da taxa de sobrevivência a 2 anos que, no caso das unidades não financeiras, correspondeu a um decréscimo de 10,2 p.p entre 2006 e 2010; para esse fenómeno terá contribuído fortemente a Construção. (…)”

 

18/07/2012 Arquivado em: Dados Económicos   Continue a ler

SEFSTAT – Estatísticas sobre a imigração em Portugal 2000 a 2011

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras português iniciou há vários anos uma parceria com o Instituto Nacional de Estatística no sentido de melhorar os procedimentos estatísticas e, em última análise, melhorar a qualidade das estat´siticas sobre a população estrangeira residnete em Portugal. O SEFSTAT  um sítio do SEF dedicado à divulgação da informação estatística terá ido beber de forma importante a esse trabalho de anos de cooperação e apresenta-se hoje como um referencial para a informação sobre imigração em Portugal.  Continuando a ser um desafio complicado de abordar, a recolha de estatísticas por parte do SEF terá caminhado no bom sentido quando comparada com o cenário existente há 10, 20 ou 30 anos atrás.

Além de apresentarmos o SEFSTAT deixamos nota para a difusão da mais recente publicação o relatório estatístico anula relativo ao ano 2011, anunciado já pelos media e que, após um breve embargo, deverá ser disponibilizado nas páginas do SEFSTAT.


INE divulga inflação desde 1977 até 2012

O INE publicou hoje dados oficiais detalhados relativos à inflação portuguesa desde 1977 até 2012. Facto que se saúda. O ficheiro com a inflação de 1977 a 2012 tem cerca de 4 MB e constitui-se como um marco histórico.

O INE tem tratado muito mal a sua obrigação de divulgação de séries temporais longas. Será o princípio de mais difusões? Esperemos que sim.


Estudo: “A procura de emprego dos diplomados com habilitação superior – 2010 ” – GPEARI

O Ministério das Finanças português através do Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (GPEARI) desenvolveu um estudo estatisticamente extenso sobre a empregabilidade dos cursos superiores portugueses recolhendo informação histórica e recente, até Dezembro de 2009. Como sub-produto nada desprezível deste estudo, o GPEARI está a disponibilizar no seu sítio na internet um conjunto muito significativo de quadros e tabelas (em formato Excel – cerca de 5MB – Clique para descarregar) contendo informação que vai desde a apresentação dos dadso de enquadramento (população residente com curso superior ao nível de NUTS 4 – concelhos) até a variadíssimos detalhes para o desemprego, incluindo as associações com os pares curso superior/estabelecimento de ensino. O estudo chama-se “A procura de emprego dos diplomados com habilitação superior – 2010″ e é já o relatório VI sobre o tema (clique para aceder).

Na página dedicada ao estudo poderá ainda extrair a informação estatística usada na última edição bem como aceder aos relatórios anteriores.

Eis um resumo da apresentação do estudo tal como se pode ler na página do GPEARI:

“Este relatório, o sexto da série, incide sobre os inscritos nos centros de emprego com habilitação superior, em Dezembro de 2009. O documento, para além de um capítulo inicial de apresentação e de síntese das principais conclusões, organiza-se em duas partes principais.

A primeira parte, caracteriza os inscritos nos centros de emprego com habilitação superior na situação de procura de emprego por comparação, quer com a situação global de procura de emprego, quer com a situação de procura de emprego dos inscritos com habilitação superior observada no mês homólogo do ano anterior (Dezembro de 2008).

A segunda parte do relatório caracteriza os inscritos nos centros de emprego com habilitação superior em Dezembro de 2009 por subsistema de ensino, área de estudo, par estabelecimento/curso e ano de conclusão do grau. Incluem-se ainda, nesta parte, dados sobre os diplomados por instituições de ensino superior para o período de 1998-1999 a 2007‑2008.”


Estatísticas da população nos países da União Europeia+8 em 2010

O Eurostat acaba de divulgar as estimativas da população, por país, no seio da União Europeia (mais 8 países) em 2010. O documento com o título “European demography – EU27 population 502.5 million at 1 January 2011 – More than 5 million children born in the EU27 in 2010” apresenta informação individualizada relativa a nascimentos, mortos, saldo natural (mortes menos nascimentos), saldo migratório e população total bem como as variações entre 2009 e 2010 medidas em permilagem.

Identificam-se 8 países de entre os 35 analisados com saldos naturais negativos, entre os quais Portugal e outros 8 países onde o saldo migratório é negativo. Quanto à população global regista-se uma redução da população em 7 países sendo Portugal um deles ainda que com uma variação marginalmente negativa.

A Turquia, a França, Reino Unido e a Espanha foram, por esta ordem, os países que mais cresceram em termos absolutos por via do saldo natural. Já quanto ao influxo positivo por via migratória, a Turquia, a Itália, o Reino Unido e a Alemamha ocuparam o topo da atratibilidade em termos absolutos.

Considerando a informação em termos relativos (variações em permilagem da população residente em 2009) o cenário é distinto. Neste caso, em termos de variação positiva do saldo natural, destacam-se a Turquia, a Irlanda e a Islândia. Quanto à variação relativa no saldo migratório, foi mais elevada no Luxemburgo, Noruega e Suiça.

Com sinal francamente negativo, em termos de evolução do saldo natural, temos a Letónia, a Bulgária e a Hungria, enquanto que nas variações negativa mais relevantes no saldo migratório, em termos relativos, destacam-se a Lituânia, a Irlanda e a Islândia.

Em termos globais, os três países com as maiores variações populacionais entre 2009 e 2010 foram: o Luxemburgo, a Turquia e a Noruega. Em Portugal, o saldo migratório positivo compensou na quase totalidade o saldo natural negativo.

Uma nota adicional para a Alemanha: a maior economia da União Europeia registou uma perda líquida de residentes por via de um saldo natural negativo (-180 mil habitantes) que um saldo migratório positivo apenas parcialmente compensou (+130 mil habitantes).

29/07/2011 Arquivado em: Dados Demográficos   Continue a ler

Séries trimestrais para a economia portuguesa 1977 – 2010

O Banco de Portugal acaba de divulgar juntamente com o seu Boletim Económico do Verão de 2011, a actualização das séries trimestrais para a economia portuguesa 1977 – 2010. São cerca de 30 variáveis fundamentais para entender a economia portuguesa e podem ser descarregadas facilmente sem custos adicionais. Eis as ligações  para a versão em PDF e em formato de folha de cálculo:

 

Qualquer esclarecimento pode ser obtido através do email do Banco de Portugal: info@bportugal.pt


Novo Portal Estatístico de Informação Empresarial do Ministério da Justiça

Números - Imagem da Corbis RFEncontra-se desde hoje disponível, o Portal Estatístico de Informação Empresarial do Ministério da Justiça português.

O novo portal agrega informação administrativa recolhida através da Informação Empresarial Simplificada (IES), do Ficheiro Central de Pessoas Colectivas (FCPC) e da Base de Dados do Registo Comercial (SIRCOM) e promete ajudar a conhecer um pouco melhor e com informação bastante actualizada a realidade empresarial do país devendo ser de utilidade a investidores e investigadores nacionais e internacionais.

Aos poucos vai-se devolvendo com valor acrescentado a informação que todos somos chamados a fornecer.

Contamos explorar as hipóteses de consulta em breve, para já fica a dica para que descubra a ferramenta gratuita agora apresentada.

Eis um excerto da folha de apresentação do Portal:

” (…) A informação é fornecida em diferentes tipos de gráfico e também em tabela permitindo-se a exportação de dados para formato PDF ou Excel garantindo-se, assim, a total versatilidade no tratamento dos dados. Na página das estatísticas encontra-se um mapa de Portugal que é preenchido de acordo com as pesquisas efectuadas permitindo uma rápida e eficaz visualização da distribuição geográfica das ocorrências. O Portal Estatístico de Informação Empresarial disponibiliza de uma forma simples e intuitiva estatísticas diversificadas acerca das empresas portuguesas, construídas com base em fontes fidedignas e actualizadas e visualizadas de forma clara e precisa. (…)”

27/04/2011 Arquivado em: Dados Económicos   Continue a ler
Page 1 of 512345